Conecte-se conosco

Destaques

LEGISLAÇÃO TRABALHISTA PRECISA SE ATUALIZAR PARA ATENDER DEMANDAS DOS NOVOS TEMPOS por Antoninho Rossini

Publicado

em

Compartilhar

Diante das necessidades surgem novas oportunidades. Sempre foi assim desde que surgiu o mundo. Os pensadores  resolveram chamar esse fato de desenvolvimento. No contexto atual,  o desenvolvimento “viralizou” em todas as áreas da atividade humana, graças ao processo acelerado da tecnologia. Algumas situações recentes e até simples diante do complexo mundo em que vivemos geraram novas soluções criativas. Basta destacar o ocorrido com a pandemia, que acelerou o trabalho “in house”. Muitas atividades passaram a ser realizadas em casa gerando novos hábitos e costumes. As pessoas passaram a receber encomendas em casa, especialmente alimentos e compras por meio de aplicativos. Os serviços de entregas em domicílio cresceram, exponencialmente.  Os motoboys cruzam as cidades, trançando suas motos por entre carros e pedestres “zilhões” de vezes, dia e noite. Outra situação emergiu diante do crescimento das cidades, com mais carros e menos vias de acesso. A solução foi encontrada por meio de transportes de passageiros, com o surgimento de plataformas de aplicativos como Uber e 99. Tanto os serviços de motoboys, como de taxistas contratados via aplicativos mudaram o panorama nos centros urbanos – não podia ser diferente. A situação chegou a um nível tal, que tanto empresas de aplicativos como seus colaboradores, sejam eles taxistas ou motoboys já não se entendem mais.  Após tantos desatinos e desavenças, golpes em clientes e outras modalidades de fraudes, o Governo decidiu entrar para tentar resolver a questão ou, pelo menos, disciplinar essa barafunda. O Ministério do Trabalho criou um grupo de trabalho envolvendo agentes públicos, empresas exploradoras desses serviços, operadores de entregas e de transporte de passageiros no sentido de regulamentar essas novas atividades, com vínculo de trabalho confuso. Esse grupo de trabalho estabeleceu prazo para criar normas compatíveis com esses serviços já que a legislação trabalhista tem uma lacuna a esse respeito – a bem da verdade, a legislação trabalhista brasileira é uma colcha de retalhos que sobrevive desde os tempos de Getúlio Vargas. O prazo para elaboração de documento para disciplinar  as relações entre taxistas de aplicativos e de motoboys venceu no mês passado e nada de prático foi feito ou divulgado. A bem da verdade, o que tem pontuado são rusgas e transferências de responsabilidades. O assunto promete deslanchar nos próximos dias. As partes interessadas – empresas de aplicativos e seus colaboradores – estão transformando aspectos relevantes dessa regulamentação em querelas jurídicas. Com isso, o essencial da questão, como registro em carteira de trabalho, pagamento de seguro, salário-mínimo, dentre outros temas relevantes caminham para um segundo plano. As formas de remuneração dos serviços devem ficar ressalvadas, sem pegadinhas nas entrelinhas de qualquer normatização. Se o mundo está se transformando, é de bom tom que esses serviços sigam o caminho correto. Vale lembrar que trabalhadores dessas modalidades de serviços estão de movimentando. É bom lembrar que motoboys e taxistas já fizeram movimento grevista para conscientizar seus usuários sobre suas condições de trabalho – no caso, São Paulo se transformou num caos ao quadrado! Se nenhuma solução for apresentada com brevidade é bem possível que outros movimentos sejam realizados. Se o Ministério do Trabalho for ágil e usar de inteligência poderá lavrar um ponto alto junto à essas novas categorias profissionais.                  

Antoninho Rossini – Jornalista e Escritor

Continue lendo
Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Copyright © 2023 Portal Orbisnews | Direção Geral Jornalista Fausto Camunha | Todos os artigos são de responsabilidade de seus autores.