Conecte-se conosco

Administração

POR QUE AS EMPRESAS FALHAM AO TENTAR INOVAR? Por César Costa

Publicado

em

Compartilhar

Em um cenário global marcado por incertezas crescentes, os modelos tradicionais de planejamento de longo prazo já não se mostram eficazes diante da velocidade e volatilidade com que as mudanças ocorrem. Para não apenas sobreviver, mas também prosperar nesse ambiente imprevisível, as empresas precisam desenvolver uma capacidade de adaptação constante, que lhes permita se reinventar continuamente. A inovação emerge, portanto, como a principal ferramenta para tornar as organizações adaptáveis e resilientes, capacitando-as a responder com agilidade o dinamismo do mercado e o desconhecido futuro.

Contudo, o caminho para a inovação está repleto de desafios. As empresas enfrentam uma série de obstáculos que vão desde a resistência interna à mudança até a dificuldade em prever as tendências de mercado e as necessidades dos consumidores, sejam eles os atuais ou potenciais novos consumidores. A burocracia corporativa, a aversão ao risco e a falta de uma cultura organizacional que promova a criatividade, colaboração e a experimentação são apenas alguns dos fatores que podem impedir uma empresa de inovar de forma efetiva.

As falhas na tentativa de inovar muitas vezes estão enraizadas na incapacidade das empresas de se adaptarem às novas realidades do mercado. Incentivos desalinhados como, por exemplo, recompensas de curto prazo em detrimento das de longo prazo podem levar a uma cultura que valoriza a manutenção do status quo e inovações meramente incrementais ao invés da exploração de novas ideias e abordagens que podem proporcionar saltos de crescimento, como novas linhas de produtos, entrada em novos mercados e disrupções. A complacência gerada por sucessos anteriores também pode cegar as empresas para a necessidade de evoluir, enquanto a burocracia excessiva pode sufocar a agilidade e flexibilidade necessárias para inovar, como frases que escutamos em corredores “cheguei até aqu i fazendo assim”.

De acordo com um estudo da PwC com 1.757 executivos, 43% deles consideram a inovação como uma necessidade competitiva para o seu negócio, e 83% concordam que a inovação é importante para o sucesso de sua empresa. Além disso, as empresas mais inovadoras do estudo apresentam perspectiva de crescimento de aproximadamente 60%, enquanto a média global gira em torno de 35%. Além disso, mais de 90% dos executivos acreditam que o principal motor de crescimento de suas empresas se dará a partir da inovação (crescimento orgânico), enquanto apenas 2% entende que o crescimento será inorgânico, como as atividades de M&A.

No entanto, a inovação não é uma garantia de sucesso. Muitas iniciativas falham, e eis as principais razões: falta de alinhamento estratégico, ausência de sistema de gestão da inovação, cultura organizacional que prejudica inovação e inadequação entre a inovação proposta e as necessidades reais do mercado.

Para superar esses desafios, as empresas devem adotar uma abordagem holística à inovação. Isso inclui fomentar uma cultura que valorize a aprendizagem contínua, a experimentação e a tolerância ao fracasso, bem como implementar estruturas organizacionais que promovam a agilidade e a colaboração. Além disso, é essencial estabelecer processos que permitam a rápida prototipagem e teste de novas ideias, juntamente com mecanismos para coletar e integrar feedback dos clientes de maneira contínua.

Enquanto a inovação oferece às empresas a oportunidade de se diferenciarem e chegarem ao sucesso a longo prazo, o caminho para alcançá-la é complexo e desafiador. Apenas aquelas que conseguem superar os obstáculos internos e externos, alinhando suas estratégias inovadoras com as necessidades do mercado e fomentando uma cultura organizacional que apoia a inovação contínua, estarão bem posicionadas para prosperar na economia dinâmica de hoje.

*César Costa é CEO da Semente Negócios. Administrador pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), César é Mestre em Inovação, Tecnologia e Sustentabilidade pelo PPGA/UFRGS e estudou management na Lund University, Strategic Management & International Business na University of La Verne, e Disruptive Strategy na Harvard Business School.

Copyright © 2024 Portal Orbisnews | Direção Geral Jornalista Fausto Camunha | Todos os artigos são de responsabilidade de seus autores.