Conecte-se conosco

Política

SÃO PAULO, A METRÓPOLE ESPOLIADA E DESCONHECIDA por Almir Pazzianotto Pinto

Publicado

em

Compartilhar

                        Resido em São Paulo desde 1962. Aqui fiz carreira profissional e política. Permaneci em Brasília entre 15/3/1985 e 15/3/2002. Quando retornei, quase não a reconheci. No curto período de 17 anos as transformações foram acentuadas, para não dizer brutais.

                        Em busca de segurança, deixei o escritório da Rua Bráulio Gomes, ao lado da Rua 7 de Abril, atrás da Biblioteca Municipal, e me mudei para o Brooklin Novo, nas imediações da Av. Engenheiro Luís Carlos Berrini.

                        Em pouco mais de duas décadas, o centro se tornara inabitável. Apesar de abnegados esforços de lojistas e proprietários de bares e restaurantes, tinha sido ocupado por moradores de rua, refugiados, comércio de calçada e assaltantes.

                        As últimas disputas pela prefeitura revelam o declínio do perfil dos candidatos, desde as gestões dos prefeitos Prestes Maia (1941-1945 / 1961-1964), Faria Lima (1965-1969), Figueiredo Ferraz (1971-1973), administradores honestos e corajosa visão de futuro.

                        O crescimento incontrolável do número de habitantes expandiu a cidade, mas não o espaço de 1.5 mil km2. Ao lado de bairros residenciais e de grandes edifícios, surgiram imensas favelas, conhecidas como comunidades. O tráfico e o consumo de entorpecentes multiplicaram os índices de violência e produziram cracolândias e multidões de drogados.

                        São Paulo possui 12,33 milhões de habitantes. É a 5ª maior metrópole do planeta. Menor do que Tóquio, Delhi, Shangai e Daka. Qual dos pré-candidatos sabe quantas são as ruas, os quarteirões, as praças, pontos de luz, o número de postes, de quilômetros de fiação, de árvores sadias ou em condição de risco, de transformadores e semáforos? Como estão as redes de água e esgoto, qual a quantidade de ligações clandestinas, a condição das linhas de telefonia, a real situação do sistema educativo e das unidades de assistência à saúde? A voraz construção de torres e de edifícios exterminou áreas verdes, aumentou a poluição, exigiu a demolição de casarões históricos, de pequenos prédios, de sobrados, e de casas, em bairros outrora tranquilos, arborizados e agradáveis.

                        São Paulo já não cabe dentro de si mesma. O passado do sociólogo e deputado federal, Guilherme Boulos, revela alguém determinado a resolver problemas de moradia pela força, com a tomada de imóveis públicos e privados, para entregá-los ao MST. Ricardo Nunes, o vereador elevado a prefeito, exibe como obras a morosa reforma da Av. Santo Amaro, e a entrega à iniciativa privada do Pacaembu, Estádio Paulo Machado de Carvalho.

                        São Paulo tem horizonte nebuloso e assustador. Para evitar que a cidade permaneça contagiada por doenças urbanas, que a cada dia mais se agravam, os paulistanos devem encarar as eleições de outubro com seriedade. O sufrágio universal deve ser exercido de maneira responsável. Observo, porém, pessoas da média e alta burguesia envaidecidas, quando se declaram alheias à política. Não se dão conta de que a alienação leva à corrupção e à tomada do governo por demagogos e populistas, hábeis na manipulação das grandes massas. Como disseram Marx e Engels, “a burguesia (endinheirada) produz sobretudo os próprios coveiros”.

                        Entregar São Paulo à aliança entre petistas, comunistas e socialistas, determinará o resultado das eleições estaduais e nacionais de 2026. Está em jogo, nas eleições das capitais e grandes cidades, o desfecho da disputa entre marxistas-comunistas, e partidários da liberal democracia, defensores da propriedade privada.

                        Prestem atenção ao que escreveu o prof. Osvaldo Caggiola, da Universidade de São Paulo: “Democracia e comunismo não são idênticos: o proletariado no poder só começa a efetuar a passagem para a sociedade comunista por meio da supressão da propriedade privada burguesa e da progressiva socialização dos meios de produção” (Manifesto Comunista, Karl Marx e Friedrich Engels, Organização e Introdução de Osvaldo Caggiola, Boitempo Editorial, SP, 1998, pág. 22).

                        A ilusão da ditadura do proletariado levou ao poder Lenin, Trotsky e Stalin, na Rússia: Fidel Castro em Cuba; Chavez e Maduro na vizinha Venezuela; Ortega na Nicarágua. É preciso dizer mais?

………………………………………………………

Advogado. Foi Ministro do Trabalho e presidente do Tribunal Superior do Trabalho. Autor de “A Falsa República”.

Continue lendo
1 comentário

1 comentário

  1. marketing digital

    fevereiro 7, 2024 at 12:22 am

    Adorei seu artigo! Site blog está sendo muito útil pra mim.
    Parabéns.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Copyright © 2023 Portal Orbisnews | Direção Geral Jornalista Fausto Camunha | Todos os artigos são de responsabilidade de seus autores.